.

Recebi o diagnóstico do Diabetes Tipo Lada durante a gestação

|
Olá!

Me chamo Suzana,tenho 30 anos, sou casada e professora. Descobri o Diabetes Tipo Lada aos 24 anos de idade.

Depois de receber o diagnóstico de diabetes tipo II, fazer inúmeros exames e passar por alguns tratamentos foi que finalmente tivemos o diagnóstico correto, tenho Diabetes Tipo Lada.

Ao contrário de muitas pessoas, recebi o diagnóstico do diabetes durante a gestação.

Vamos lá...

Passei por um processo emocionalmente muito difícil, emagreci muito nesse período, passei a beber muita água e a urinar com frequência. Sem saber dos sintomas achei que era um quadro da depressão devido a tudo o que eu estava passando.
No meio de todos estes fatos, descobri que estava grávida,foi um misto de alegria e medo. Não nos planejamos, mas desejávamos sermos pais. Fui fazer os exames comuns da gestação até que vem a pior notícia:

 - Mãezinha,você é diabética né?

Foi um choque aquela notícia, não entendi nada, mas por amor ao meu bebê decidi me cuidar e iniciar o tratamento de alto risco no convênio.

Muitas mudanças bruscas ocorreram em minha vida, eram os sintomas gestacionais,informações sobre o diabetes e também os sintomas do diabetes. Não dava tempo de raciocinar, apenas de executar, qualquer erro poderia comprometer as nossas vidas.

Durante a gravidez, fiz uso das insulinas NPH e Regular. As consultas eram sempre tensas, os médicos me alertavam para o risco da perda do bebê com ênfase, eu muito assustada, mudei totalmente minha alimentação.Chorava muito, o medo sempre me rodeava, era uma alegria ao meu bebê mexer e uma angústia quando ele estava quieto!

Contudo,mesmo sem conhecer a fundo o diabetes, sem entendê-lo, eu me cuidava para que pudesse ter meu filho com saúde.

Foram meses de angustia e de apreensão!

Feliz por realizar o sonho da maternidade,triste por não poder usufruir daquele momento como esperava.

Com 36 semanas, fizemos uma cesárea de urgência, pois meu liquido amniótico estava secando pela acidez do açúcar em meu sangue. Samuel nasceu com 2,790 kg e não precisou ficar na UTI.

Ver meu filho bem,mesmo diante das circunstâncias,fez tudo valer a pena.Ele foi amamentado por 2 anos e 2 meses, as primeiras hipos significativas que tive foram durante a amamentação, mas logo foram controladas.

Pelo desconhecimento em relação ao diabetes, não usava métodos contraceptivos, achava que o diabetes me impediria de engravidar.Por isso nunca me preocupei em tomar remédios,até que 3 anos após o nascimento do Samuel,novamente engravidei.

Foi novamente um choque, por outro lado achei que seria mais fácil,uma vez que eu já havia engravidado e tinha esta experiência,ledo engano.

Comecei a ter dilatação aos 7 meses de gravidez, fiquei afastada e de repouso até o nascimento do meu filho. Com 37 semanas, senti todas as dores do parto, fomos tentar um parto normal, mas assim que estouraram a bolsa, a placenta deslocou e foi aquela correria para o parto cesárea. E assim nasceu José Henrique, com 4.275kg.Ficamos internados uns dias por conta de uma bactéria que deu nele (fisiometria), mas no final tudo deu certo!




Gestaçào do José Hnerique


José Henrique, foi amamentado por 1 ano e 10 meses, no início tive muitas hipos, mas me alimentei corretamente e mudamos as dosagens de insulina e assim as glicemias foram estabilizando.



José Henrique e Samuel

Me sinto realizada por ser mãe de dois meninos, aprendi a lidar com o diabetes e hoje me cuido bem melhor.Conhecer a doença, ajuda muito no tratamento e até mesmo mudarmos pensamentos e posturas frente a doença. No fundo ninguém deseja ter diabetes,é muita responsabilidade! Cuidar de tudo e de todos,além de seus cuidados básicos e ainda ter mais esta preocupação...Mas como diz o ditado “o que não tem remédio, remediado está”.Ou seja, o diabetes não tem cura, mas tem controle,posso viver e também usufruir de muitas coisas daqui.Só depende de mim.

Samuel, foi a minha cura emocional, foi por ele que atravessei momentos difíceis e por ele que aceitei o diabetes. Senão fosse a gestação, eu não teria tido o diagnóstico do diabetes “tão rápido”, eu tinha uma doença dentro de mim que estava silenciosa.

Atualmente uso as insulinas NPH e Regular e tomo o medicamento Glifage.

Podemos sim ser mães!Basta termos fé e fazermos nossa parte .

Esse é o meu testemunho vivo: Samuel 5 anos e José Henrique de 2 anos de idade.



Nossa Familia

Nenhum comentário:

Postar um comentário