.

Com planejamento consegui uma otima glicada para engravidar pela quarta

1 comentários |
Olá!

Sou Juliana, tenho 25 anos, casada, mãe de 3, tenho diabetes tipo 1 há 15 anos e atualmente não trabalho. Meu tratamento desde o diagnóstico é com as insulinas NPH e Regular e as aplico com seringas.

Descobri o diabetes aos 10 anos de idade. No começo não entendia muito bem tudo o que estava acontecendo e o quanto minha vida estava mudando, mas sempre lidei bem, achava muito legal ser diferente das outras crianças e adolescentes.

Foi na adolescência que engravidei pela primeira vez do meu namorado, hoje meu marido. Eu tinha 16 anos e o ano era 2010. Todos diziam que era um milagre. Ouvi inúmeras vezes que deveria aproveitar bem aquela gravidez provavelmente isso não ocorreria de novo.

Diferente do que pensaram ou disseram, tive uma gravidez tranquila, sem intercorrências. Na época fiz o pré-natal pelo plano de saúde e me consultava com um obstetra indicado por minha endócrino, o diálogo constante entre estes dois profissionais foi crucial para aquele momento.

Foi então que no dia 24/05/2010, Victória nasceu de parto cesárea, por opção medica, com 37 semanas, pesando 3.125kg e 45 cm. Super saudável e linda, a recuperação foi ótima. O pós-parto foi tranquilo.

Quando ela nasceu, eu era menor de idade e por isso passava com uma endocrinologista pediátrica. Sabia que com a maior idade, ela deixaria de me atender. Foi o que aconteceu e em sequencia fiquei sem o plano de saúde.

Em 2013 descobri a segunda gravidez, que não foi planejada, porém foi bem aceita e amada. Estava sem endócrino na época, fazia consultas só com o clínico geral do posto de saúde. Sendo assim, fui encaminhada para um hospital que atendia gestação de alto risco.

Foi uma gravidez mais complicada, tive várias hipos graves enquanto dormia,inúmeras oscilações glicêmicas, e precisei ficar 10 dias internada para conseguir um melhor controle.

No dia 04/08/2013 que minha bolsa rompeu e Thomas nasceu prematuridade com 33 semanas, de parto normal em um hospital público. Seu peso foi 1.980kg e 43 cm. Pela prematuridade ficou 15 dias na UTINeonatal, mas tudo correu bem. O pós-parto foi tranquilo.



Em 2016, engravidei sem que nos planejássemos. Foi uma alegria!Mas infelizmente tive um aborto espontâneo com 12 semanas. Os médicos não encontraram nenhum problema que explicasse o aborto, mas na época, eu não estava me cuidando direito, o valor da minha glicada era 9.0%.

A partir daquele momento, decidimos que queríamos outro filho. Passei a controlar melhor as glicemias, a me cuidar, tomar cuidado com a alimentação e remédios, fazendo tudo corretamente.

E foi assim que pela quarta vez fomos agraciados. Estou grávida de 28 semanas. É um menino! Ainda não decidimos o nome. A glicada está 6,8%. Estamos conseguindo fazer um bom controle e até o momento não tive nenhum problema.



Estamos muito felizes e completos, provando a todos que nada é impossível. O diabetes me ensinou a ser uma pessoa mais saudável, não me limitou e me mostrou que preciso me cuidar para viver bem.

Em breve em casa seremos 5!  

Tentando equilibrar e cuidar das minhas atuais demandas: Diabetes e Maternidade

0 comentários |

Oi pessoal!

Meu nome é Camila, tenho 21 anos, sou casada (moro junto rs),atualmente não trabalho, tenho diabetes Mellitus Tipo 1 há 15 anos. Faço meu tratamento pelo SUS, uso as insulinas NPH e Regular, as aplico com seringa.

Era criança e não lembro muito bem sobre o início do meu diagnóstico. Mas me recordo de aprontar demais comendo tudo o que não podia. Vivia descompensada a ponto de ser internada por ter meu fígado afetado, o mesmo inchou demais e fiquei bem prejudicada.

Confesso que tenho muita dificuldade em me cuidar e levar o tratamento a serio. Hoje estou melhor do que já estive, mas tenho plena consciência do quanto preciso melhorar... Não é fácil!



Já usei inúmeras insulinas na tentativa de ter um melhor controle (Lantus, Humalog, Levemir, NPH e Regular), com dosagens fixas e contagem de carboidratos, mas minha rebeldia em não fazer a contagem de carboidratos adequadamente me impediu de continuar com este tipo de tratamento, me fazendo voltar para as dosagens fixas. Hoje voltei a usar a NPH e Regular devido a precariedade de onde moro. Estas são as insulinas mais acessíveis no momento.

Não tenho nenhuma sequela do mau controle glicêmico. Graças a Deus! Minha família sempre me incentivou a me cuidar. Mas nunca me conformei em ter diabetes. Até hoje não controlo muito, pretendo voltar a me cuidar o mais rápido possível.

Embora minha gestação não tenha sido planejada,foi muito bem aceita e amada. Quando engravidei minha glicada estava 10%. Totalmente fora dos padrões esperados,mas de maneira geral tudo foi correndo bem. Fiquei internada pelas hipos que tive e algumas descompensações.



Miguel nasceu no dia 31 de maio de 2016, parto cesárea, com 36 semanas, 3.940kg e 46,5cm. Um bebezão! Ficou 16 dias na UTINeonatal, pois nasceu com macrossomia e pegou uma sepse.Mas deu tudo certo!

Infelizmente não consegui amamentar, Miguel rejeitou e de forma alguma quis mamar no peito.

Hoje meu príncipe tem 2 anos de idade. Tenho muita dificuldade conciliar a maternidade e o diabetes. E este é um dos motivos que atualmente me impede de levar o tratamento a sério.



Sei que deveria me cuidar mais, por mim, por meu filho,pela minha família  e por todos que me amam. Estou neste momento me fortificando, empoderando e tentando aceitar a doença. Embora isso já devesse ter ocorrido, por aqui ainda não ocorreu, mas há em mim a certeza de que vou conseguir.

Talvez meu depoimento não fale de grande responsabilidade com o tratamento ou modelo a ser copiado, porém me considero uma resiliente e tenho muito o que agradecer a Deus por nunca ter permitido que algo pior me sobreviesse.


Se hoje eu pudesse deixar uma mensagem a todas as mulheres com diabetes que desejam engravidar eu diria: A fé me possibilitou a maternidade, assim como poderá fazer o mesmo com vocês. Mas não percam o foco em cuidar-se para que tudo lhes corra bem, não só na gestação como em todos os dias. Neste momento esta não é minha realidade, e até por isso lhes aconselho,mas sei que CONSEGUIREI!

Agradeço minha família, esposo e amigos pelo amor,paciência,por cuidarem e acreditarem em mim.

Beijos a todas